Inspirado na Lei da Cidade Limpa, empresário investe em projeto alternativo de franquias

Com formação mercadológica, Salvatore Privitera decidiu abrir um negócio sustentável, embalado pela Lei da Cidade Limpa, criada em 2007. Pensando na carência de mídias regionais, o empresário investiu na criação da BagNews, um projeto de franquias de publicidade em embalagens, como sacolas e sacos recicláveis.

O negócio é destinado a jovens que queiram iniciar a carreira com um empreendimento próprio. Após patentear a ideia, o primeiro piloto de franquia foi inaugurado em 2009.

Entre os principais erros identificados inicialmente, Privitera lembra que a área de atuação não foi planejada com detalhes. “O aprendizado inicial foi o conceito de microrregião. Começamos com uma tiragem muito grande, de 30 mil. Diminuímos a área trabalhada, porque percebemos que a mídia era destinada a serviços que podiam ser obtidos em uma região específica. Com isso, estabelecemos que cada franquia trabalharia com uma microrregião”.

Mais estabilizado, se tornou franqueador em outubro de 2010. A franquia paulistana foi fechada e a aposta eram os franqueadores de cidades com proporções menores. O empresário explica que a estratégia era se estabelecer como negócio em pequenos municípios e voltar a São Paulo depois que a BagNews conseguisse a chancela da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

“A dimensão de São Paulo exigiu que dividíssemos a cidade em um conjunto de bairros. Para montar uma franquia por aqui, o empresário precisa de um esforço de administração enorme e uma estrutura gigantesca”, explica Privitera, afirmando que desde dezembro há uma franquia aberta em Perdizes, na capital.

Para abrir uma franquia do empreendimento o investidor tem que desembolsar R$ 25 mil sem a necessidade de um ponto comercial para ter a sua própria agência que comercializa anúncios em embalagens para empresas que procuram uma mídia alternativa e regional e distribui gratuitamente as sacolas e sacos em estabelecimentos comerciais de sua área.

“As nossas franquias são conhecidas como low cost em função dos preços baixos”, diz o idealizador da BagNews.

Do montante de R$ 25 mil, R$ 12 mil correspondem à taxa de franquia válida por cinco anos. Para a renovação, os proprietários das franquias terão que desembolsar R$ 2 mil. O empresário oferece às empresas um serviço de suporte técnico, que sai por R$ 600,00 mensais.

A soma de todas as operações rende ao proprietário da Bag News R$ 1 milhão por ano. “Nos próximos dois anos, vamos ganhar menos em termos de franquias, mas aumentaremos a rede de franqueados que utilizam o suporte técnico. Ao final deste período, pretendemos dobrar os ganhos”, prevê Privitera.

Ele diz que o grande desafio foi estabelecer o perfil das pessoas que deveriam receber as sacolas já que a distribuição é regional. Para ele, a distribuição dirigida exige um planejamento e um estudo mais complexos.

Após a chancela da Associação Brasileira de Franchising (ABF), a BagNews já conta com mais de 15 franquias pelo Brasil. Ambicioso, o empresário espera ter pelo menos 9 franquias espalhadas pela cidade de São Paulo até o final de 2013.